28/02/2024
  • 10:30 Pastores investigados pela Polícia Federal têm ligação com Marcos Bastos, do “Pai Resgatando Vidas”; confira vídeos
  • 10:25 TCE apresenta à Aleam minuta do projeto de criação da Ouvidoria da Mulher
  • 10:19 Fernanda Gentil é diagnosticada com paralisia de Bell: entenda mais sobre a doença
  • 10:14 “Bons de briga”: torcedores enfrentam batalhão de seguranças em jogo; assista aos vídeos
  • 07:06 Hemoam convoca doadores do tipo O devido a estoque baixo de sangue

A cidade de Mariupol, que fica no sudoeste da Ucrânia, vive momentos dramáticos devido aos bombardeios russos. Na última quarta-feira (9), a cidade teve um hospital pediátrico e maternidade atacados, que motivou condenações internacionais à Rússia.

A cidade está completamente cercada e já vive escassez de água e comida. Segundo a prefeitura, 1.582 civis perderam a vida nos últimos 12 dias. E com esta situação, os necrotérios da cidade estão completamente lotados e muitos corpos aguardam ser coletados dentro das casas.

Devido a quantidade de mortos, autoridades locais decidiram que não podem mais esperar para realizar funerais individuais e desta forma, começaram a ser abertas valas comuns para o enterro rápido de civis e soldados.

Porém, neste sábado (12) a prefeitura informou que os ataques aéreos constantes vêm interrompendo o trabalho das equipes que cavam as valas, impedindo todos os enterros e fazendo com que muitos corpos permanecem nas ruas, de acordo com a Associated Press.

O escritório da ONU para a Coordenação de Questões Humanitárias afirmou neste sábado que as pessoas sitiadas em Mariupol estão desesperadas, com “informações de saques e violentas disputas entre os civis pelos poucos víveres que ainda existem na cidade”.

Os habitantes locais, que antes da invasão chegavam a 446 mil, também estão quase incomunicáveis há mais de uma semana, sem eletricidade e com baixíssimo acesso a alimentos e água. Muitos estão abrigados em porões para tentar escapar dos bombardeios. Aguardando notícias, muitas famílias vêm postando fotos e informações sobre seus parentes presos em Mariupol no aplicativo de mensagens Telegram, esperando que alguém possa fornecer alguma informação.

Redação 2

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT