28/02/2024
  • 10:30 Pastores investigados pela Polícia Federal têm ligação com Marcos Bastos, do “Pai Resgatando Vidas”; confira vídeos
  • 10:25 TCE apresenta à Aleam minuta do projeto de criação da Ouvidoria da Mulher
  • 10:19 Fernanda Gentil é diagnosticada com paralisia de Bell: entenda mais sobre a doença
  • 10:14 “Bons de briga”: torcedores enfrentam batalhão de seguranças em jogo; assista aos vídeos
  • 07:06 Hemoam convoca doadores do tipo O devido a estoque baixo de sangue

Rio de Janeiro (RJ) – Um dos ex-líderes da facção criminosa Comando Vermelho,  Alexander de Jesus Carlos, vulgo “Choque” ou “220v”,  foi internado na madrugada desta sexta-feira (21) após ter sido brutalmente espancado por colegas de sala dentro do Complexo Penitenciário de Bangu, na zona Oeste do Rio de Janeiro. 

O traficante foi socorrido para o Pronto Socorro Geral Hamilton Agostinho, unidade de saúde do sistema prisional, localizado dentro do conjunto de penitenciárias.

De acordo com as informações do “O Dia”, Choque foi espancado por comparsas dentro da Penitenciária Gabriel Ferreira Castilho, conhecida popularmente como “Bangu 3”, que abriga os chefes da facção.

Em nota, a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) afirmou que ele alegou ter sofrido uma queda no banheiro e que vai “apurar a veracidade dos fatos narrados pelo preso”.

  O criminoso já recebeu alta mas não retornou para a unidade onde estão os demais detentos do CV porque teria sido expulso da quadrilha após ser destituído da liderança do tráfico de Manguinhos, na zona Norte da capital fluminense. Ele foi acusado pelos moradores da comunidade de estar adotando táticas de extorsão, comumente utilizadas por milicianos, cobrando taxas para internet e cultos religiosos.  

A ordem para a troca de comando em Manguinhos teria partido de Wilton Quintanilha, o Abelha, posto em liberdade mesmo com mandado ativo de prisão, no ano passado, e apontado como um dos chefes da facção, em episódio que levou à investigação e prisão do ex-secretário de Administração Penitenciária do Estado.

A justificativa seria a reclamação de moradores sobre as práticas milicianas que Choque insistia em praticar na comunidade e o estopim para a retirada de Choque da liderança teria sido o  castigo imposto a uma menina de 16 anos, baleada na mão após a recusa em se relacionar com um dos traficantes.

Após o crime, a cúpula do Comando Vermelho teria pedido explicações a Choque. O traficante está preso desde 2008 e já passou por uma unidade prisional federal antes de retornar ao Rio.

*Com informações do O Dia 

Redação 2

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT