29/06/2024
  • 11:34 Vídeo: Membro do PCC é atingido por 15 tiros na cabeça em Manaus; assista
  • 11:30 PUMP é multada em R$18 mil por doação ilegal a candidato
  • 11:25 Ex-noivo de Djidja, Bruno Roberto recebe prisão domiciliar por decisão judicial
  • 11:21 Prefeito David Almeida inaugura novas estruturas da feira itinerante Prefeito 2 Novo título: Prefeito David Almeida inaugura novos espaços na feira itinerante Prefeito 2
  • 10:04 Forças de Segurança se unem na Festa dos Visitantes em Parintins

O novo prefeito de Coari, Keitton Pinheiro (MDB) apresentou os novos secretários que devem compor a gestão municipal até 2024. Entre os anunciados estão na lista condenados por peculato, sequestro, exploração sexual de menores e investigados pela Justiça.

Leia mais: Ministro relaciona aumento de casos de covid-19 a festas de fim de ano

Para a composição da alta cúpula da prefeitura, Keitton escolheu a ex-servidora municipal Maria Landia Rodrigues dos Santos. Em 2014 ela foi condenada a 11 anos de prisão pelos crimes de sequestro e cárcere privado de menor, favorecimento e mediação à prostituição e corrupção de menores. Ela tem certo destaque porque retorna à gestão no cargo de secretária municipal adjunta de agroeconomia e produção rural.

A condenação de Maria Landia ocorreu após a Operação Vorax ser deflagrada, a mesma que também investigou o ex-prefeito Adail Pinheiro, preso por crimes de favorecimento à prostituição, envolvimento em rede de exploração sexual, abuso sexual e corrupção de menores.

Emídio Rodrigues

Emídio Rodrigues Neto foi nomeado como novo secretário municipal adjunto de saúde da capital. Ele foi condenado em 2017 a 19 anos, cinco meses e dez dias de prisão por peculato. Emídio era representante do município de Coari em Manaus e servidor do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), onde participou de um esquema que desviou, a título de propina, pelo menos R$ 1,395 milhões. Ele foi denunciado pela operação Matusalém.

No caso de Emídio Rodrigues Neto, uma recomendação do Ministério Público do Amazonas (MPAM), datada de novembro do ano passado, já havia pedido para que fosse exonerado, a considerar que ele estava como servidor mesmo sendo ficha suja. Na nova nomeação como secretário, o documento do MPAM foi ignorado pela prefeitura.

“Recomenda-se, ainda, que a municipalidade exonere, imediatamente, todas as pessoas que estejam na situação de inelegibilidade, em razão de atos ilícitos”, escreveu Rafael Fonseca, promotor de justiça substituto, citando Emídio.

Outros investigados

Além dos nomes já condenados, outros dois estão sob investigação no MPAM. Carlos Endrick dos Santos foi nomeado secretário municipal adjunto de lazer, mesmo sendo suspeito de integrar o ‘mensalinho’ da Câmara Municipal de Coari, um suposto esquema da Prefeitura para comprar apoio de vereadores.

Confira a lista completa do secretariado de Coari:

Redação 2

RELATED ARTICLES