29/06/2024
  • 11:34 Vídeo: Membro do PCC é atingido por 15 tiros na cabeça em Manaus; assista
  • 11:30 PUMP é multada em R$18 mil por doação ilegal a candidato
  • 11:25 Ex-noivo de Djidja, Bruno Roberto recebe prisão domiciliar por decisão judicial
  • 11:21 Prefeito David Almeida inaugura novas estruturas da feira itinerante Prefeito 2 Novo título: Prefeito David Almeida inaugura novos espaços na feira itinerante Prefeito 2
  • 10:04 Forças de Segurança se unem na Festa dos Visitantes em Parintins

A Globo abriu um processo contra um motorista que jogou pedras nas vidraças da sua sede no Rio de Janeiro após ter sido mandado embora da empresa em que trabalhava

William Bonner na bancada do Jornal Nacional; prédio do jornalismo da Globo é atingida por vandalismo (Imagem: Reprodução / Globo)

Globo abriu um processo contra um motorista que jogou pedras na vidraça da sua sede no Rio de Janeiro após ter sido mandado embora da empresa em que trabalhava. Ele culpou a rede da família Marinho pela sua dispensa e, como vingança, depredou a fachada da empresa.

A encrenca começou em 2017, quando Reginaldo Obrestes Cristino foi até o prédio do canal líder de audiência, no Jardim Botânico, Zona Sul da cidade, de acordo com as informações do Notícias da TV. Ele desceu de um ônibus e atirou duas pedras grandes nas janelas da Globo.

As câmeras de segurança da emissora flagraram o momento e, logo em seguida, os seguranças foram atrás dele e chamaram a polícia.

Quando o rapaz foi encontrado pela equipe da Globo, ele deu como justificativa que foi demitido por causa da rede. Na verdade, o caso foi melhor explicado um período depois.

Rapaz ataca sede da Globo por causa de reportagem

Em 2015, ele foi visto em uma matéria do Jornal Nacional dirigindo enquanto falava ao celular, algo considerado infração grave pela lei de trânsito. Os chefes viram o erro do funcionário e decidiram demiti-lo.

Irado, ele se eximiu da culpa e jogou sua raiva em cima da TV em pelo menos duas ocasiões. A emissora líder de audiência entrou com um processo na 26ª Vara Criminal do Rio de Janeiro.

Considerado pobre, ele recebeu duas opções: o pagamento de R$ 1 mil em multa e indenização para a empresa de comunicação pelos custos do que foi quebrado ou 30 horas de trabalho em serviços comunitários durante um mês. A Justiça não encontrou o acusado nos endereços dados por ele.

Vale lembrar que a TV é o grande alvo de ataques de populares por questões ligadas ao mundo político, mas em raras ocasiões a rede é atingida por caoss mais pessoais como o relatado.

Gostou do conteúdo? Siga @rd1oficial no Instagram e RD1.com.br no Facebook para acompanhar as últimas notícias dos famosos.

Redação 2

RELATED ARTICLES