01/07/2024
  • 11:34 Vídeo: Membro do PCC é atingido por 15 tiros na cabeça em Manaus; assista
  • 11:30 PUMP é multada em R$18 mil por doação ilegal a candidato
  • 11:25 Ex-noivo de Djidja, Bruno Roberto recebe prisão domiciliar por decisão judicial
  • 11:21 Prefeito David Almeida inaugura novas estruturas da feira itinerante Prefeito 2 Novo título: Prefeito David Almeida inaugura novos espaços na feira itinerante Prefeito 2
  • 10:04 Forças de Segurança se unem na Festa dos Visitantes em Parintins

Mais de 11 mil filhotes de quelônios foram devolvidos à natureza, na segunda-feira (28/02), na Comunidade Nossa Senhora do Livramento, situada na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Uatumã, município de São Sebastião do Uatumã (a 247 quilômetros de Manaus).

A atividade faz parte do trabalho de monitoramento das espécies, conduzida pelos comunitários, com apoio da Secretaria do Meio Ambiente (Sema) e da Prefeitura de São Sebastião do Uatumã. O secretário de Estado do Meio Ambiente, Eduardo Taveira, explica a importância da ação.

“Esse projeto faz parte das ações planejadas das Unidades de Conservação Estaduais, e é importante tanto para a saúde desses ecossistemas, uma vez que permite o aumento das populações de quelônios nessas áreas, quanto para o envolvimento das comunidades na educação ambiental”, disse.

A soltura de quelônios é a última etapa do monitoramento, que tem início com o acompanhamento dos tabuleiros de desova – os locais originais onde os ovos são depositados pelas fêmeas.

Após o depósito na areia pelas fêmeas, comunitários, conduzidos por Agentes Ambientais Voluntários (AAV) capacitados pela Sema, coletam os ovos e os levam para “berçários”, estruturas construídas por moradores. Nesses locais, os ovos podem eclodir em segurança, longe de predadores e do risco de caça ilegal.

Depois da eclosão dos ovos, os filhotes permanecem nos berçários, sendo alimentados e ambientados para a soltura, por cerca de três meses. Nesta atividade, foram soltos filhotes de tartaruga-da-amazônia, tracajá, iaçá e irapuca.

Redação 2