28/02/2024
  • 10:30 Pastores investigados pela Polícia Federal têm ligação com Marcos Bastos, do “Pai Resgatando Vidas”; confira vídeos
  • 10:25 TCE apresenta à Aleam minuta do projeto de criação da Ouvidoria da Mulher
  • 10:19 Fernanda Gentil é diagnosticada com paralisia de Bell: entenda mais sobre a doença
  • 10:14 “Bons de briga”: torcedores enfrentam batalhão de seguranças em jogo; assista aos vídeos
  • 07:06 Hemoam convoca doadores do tipo O devido a estoque baixo de sangue

O sargento da Marinha, Aurélio Alves Bezerra, teve a prisão preventiva mantida durante audiência de custódia realizada nesta sexta-feira (4). Ele é acusado de matar o repositor de supermercado Durval Teófilo Filho ao confundi-lo com um assaltante. O crime ocorreu na noite da última quarta-feira (2), dentro do condomínio onde ambos moravam, na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Na decisão, a juíza Ariadne Villella Lopes, ainda mudou o crime de homicídio culposo, quando não há intenção de matar, para doloso. A família da vítima acredita que ele foi assassinado porque o autor dos disparos era racista. Durval era negro.

O Ministério Público requereu ainda a conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva. Segundo a juíza, a sua decisão se deu pelo fato de haver riscos de constrangimento de testemunhas, uma vez que a vítima e o autor dos disparos, flagrados pelas câmeras do condomínio, moravam no mesmo local.

Em seu depoimento à Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG), o sargento disse que, depois de fazer os disparos, saiu do carro e perguntou ao homem se ele estava armado. Nesse momento, já caído no chão, Durval chegou a dizer que também era morador do condomínio.

Familiares de Durval ficaram indignados com o crime. “Será que fosse um branco andando e mexendo na mochila, tinham atirado no meu irmão três vezes? E ele falando que ele era morador do condomínio? Será? Eu duvido. Eu duvido muito”, questiona Fabiana Teófilo, irmã da vítima.

Redação 2

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT