24/05/2024
  • 08:10 Botafogo derrota Flamengo por 2 a 0 no Maracanã
  • 08:10 Botafogo vence Flamengo por 2 a 0 no Maracanã
  • 08:09 Botafogo derrota Flamengo por 2 a 0 no Maracanã
  • 08:08 Botafogo derrota Flamengo no Maracanã por 2 a 0
  • 11:32 Michelle Bolsonaro elogia Virada Feminina e reconhece liderança de Cileide Moussallem no AM

O assunto mais comentado no Brasil nos últimos dias, a traição de uma mulher com um mendigo, tem dado muito que falar.  Desde a última quarta-feira (9), quando ocorreu o fato flagrado pelo marido da mulher dentro do carro dela, o assunto vem tomado grandes proporções, inclusive com versões do marido traído, da mulher e do próprio morador de rua.

Segundo o mendigo detalhou à polícia, o carro com a mulher parou nas proximidades da Escola Paroquial, em Planaltina (DF). Ela teria chamado o morador de rua para “brincar”. Ele disse ainda que a mulher o convenceu a entrar no carro e logo em seguida começaram a transar.

O homem relatou que enquanto mantinha a relação sexual com a mulher, um “homem bravo invadiu o veículo” e começou a agredi-lo. Após as agressões o morador de rua foi encaminhado para um hospital da cidade devido aos ferimentos adquiridos na briga. A mulher também foi levada para a unidade hospitalar devido ao estado de choque em que se encontrava.

Após receberem alta, todos foram para a delegacia, onde prestaram depoimento. Nas oitivas o mendigo afirmou que não conhecia a mulher e que o que tinha ocorrido não era estupro, uma vez que foi ela mesma quem o chamou.

Consentimento

O depoimento do mendigo foi confirmado pela mulher. Na delegacia ela disse que foi abordada pelo homem que lhe pediu dinheiro. Ela teria dito que não tinha dinheiro, ocasião em que o sem teto pediu para ver a bíblia que ela carregava nas mãos. Na sequência, o mendigo teria pedido um abraço. “Me deu vontade de dar um abraço nele”, revelou.

Depois do abraço os dois foram para dentro do carro. “Eu senti uma coisa tão boa”, disse ela. Em seguida os dois marcaram um encontro na rodoviária e lá tiveram as relações sexuais. Ao longo do relato, a mulher parecia estar confusa. Segundo ela, em alguns momentos via o marido, Eduardo, no lugar do mendigo, outras vezes via Deus.

“Às vezes, eu o enxergava como Deus, às vezes como Eduardo”, disse ela.

Marido acredita em estupro

O personal trainer disse aos investigadores que agrediu o mendigo por acreditar que a esposa estava sendo vítima de um estupro. Ela afirmou também que a esposa sofre de problemas psicológicos e que não teria capacidade de consentir uma relação sexual uma vez que estaria tendo um surto.

Redação 2

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT